O que é metaverso e as principais tendências para o mercado

Se você está ligado/a nas novidades da tecnologia, com certeza sabe o que é metaverso – um espaço virtual coletivo e imersivo que promete revolucionar a maneira como as pessoas vivem, trabalham, consomem e se relacionam. 

O metaverso é uma das principais tendências do mercado para o ano de 2022. O termo já é uma das palavras mais buscadas no Google e consiste em um espaço online com inúmeras possibilidades para os usuários.

Visto como o próximo passo para a evolução da Internet, o metaverso promete alterar a forma como nos comunicamos e fazemos negócios dentro do ambiente virtual. 

Além disso, o metaverso também se relaciona com os NFT’s (Tokens não fungíveis), outra tendência da área de tecnologia. 

De acordo com um levantamento da Bloomberg Intelligence, o mercado do metaverso pode atingir uma movimentação de US$ 800 bilhões até o ano de 2024. 

Que é promissor, não podemos negar. Mas você sabe ao certo o que é metaverso?

O que é metaverso?

De uma forma geral, o metaverso pode ser definido como um grande universo virtual. Ele demanda a utilização de equipamentos especiais, como óculos de realidade virtual e relógios com tecnologia específica. Esse espaço é compartilhado e acessado por muitos usuários. 

No metaverso, a experiência do usuário é interativa e mais profunda do que navegar na internet, uma vez que é possível vivenciar ações em um universo completo. Esse mundo é construído por meio de várias tecnologias, como a realidade aumentada, a realidade virtual, os avatares holográficos 3D e outras inovações. 

Nesse universo, possuindo seu próprio personagem customizável, o usuário consegue trabalhar, se comunicar e estudar, por exemplo. Ou seja, o metaverso é um espaço paralelo e ficcional, que reproduz lugares da realidade e possibilita que as empresas façam negócios e que os usuários aproveitem momentos de lazer.  

Como surgiu essa tendência

Apesar de parecer um conceito novo, o metaverso surgiu inicialmente no livro “Snow Crash”, publicado pelo escritor Neal Stephenson em 1992. Além disso, esse termo também aparece na obra “Ready Player One”, que foi escrita por Ernestine Cline em 2011.

Contudo, a popularidade dessa tecnologia cresceu em 2021, quando o Facebook mudou seu nome para Meta e passou a ser uma das várias companhias a investir nesse espaço virtual. No anúncio, o fundador da rede social, Mark Zuckerberg, explicou o que é metaverso e falou sobre a nova fase da empresa, anunciou parcerias e divulgou um investimento de US$ 50 milhões destinados à construção do espaço.

Além da empresa de Mark Zuckerberg, as gigantes Microsoft e Roblox são outras duas investidoras conhecidas na formatação do ambiente do metaverso.

Como funciona o metaverso

Agora que você sabe o que é metaverso, precisa saber como ele funciona na prática. Mesclando o ambiente virtual e a realidade aumentada, o metaverso é um espaço imersivo, interativo e compartilhado. 

Para adentrar nessa realidade virtual, os usuários precisam utilizar periféricos específicos, que são equipados com sensores e fones de ouvido. Os demais detalhes sobre o acesso dependem muito do metaverso em questão.

Ao invés de acessar um site por meio de um eletrônico, a pessoa consegue entrar em uma nova realidade e ter a sensação de estar lá fisicamente. No futuro, a expectativa é que o usuário consiga explorar esse novo mundo virtual pelo seu console de videogame, celular e notebook. 

Nesse ambiente, cada pessoa possui um avatar e consegue interagir com outros usuários. Por exemplo, ela consegue se reunir com amigos e família, assistir a shows e fazer compras, tudo virtualmente.

Hoje, por conta das restrições da pandemia de Covid-19, é comum que os encontros de trabalho e estudos aconteçam de forma remota. No metaverso, essas reuniões aconteceriam com mais interação, e cada usuário poderia dialogar diretamente e ter a sensação de tocar em outras pessoas. 

Quanto ao mercado do metaverso, o objetivo é que ele funcione com criptomoedas. Por meio da tecnologia do blockchain, os usuários usam os criptoativos para adquirirem produtos e serviços, como roupas para os seus avatares.

Impacto do metaverso no mercado

De certa forma, o metaverso é entendido como uma expansão do mercado físico. O mundo virtual modifica a maneira como ocorrem as interações sociais e atividades econômicas, pois é necessário pagar por produtos e serviços. 

Marcas e empresas podem vender acessórios e roupas para os avatares. O metaverso permite a aquisição de produtos que são completamente virtuais, ou seja, que só existem no plano digital. 

Contudo, para muitos negócios, esse universo também significa mais uma mídia para suas estratégias de marketing. Sendo assim, é necessário fazer uma análise desse espaço, identificar públicos e estabelecer se o perfil da marca é compatível com a realidade do metaverso.  

Relação do metaverso com as marcas e empresas

Para as marcas e empresas, o metaverso é uma oportunidade de oferecer experiências únicas e imersivas aos clientes. Contudo, devido à limitação dos equipamentos, esse espaço não é acessível para todos os públicos. 

Até o momento, o conceito de o que é metaverso se popularizou principalmente dentro dos jogos, com o surgimento de comunidades criadas para os seguintes games: Fortnite, Minecraft e Grand Theft Auto. 

De acordo com a Newzoo, uma consultoria especializada, a indústria global de games foi responsável por movimentar US$ 175,8 bilhões apenas em 2021. Mesmo com a baixa em relação a 2020, a tendência é que esse mercado ultrapasse US$ 200 bilhões em 2023.

Com o metaverso, os usuários poderão participar de apresentações, shows musicais, lives de ecommerce e debates dentro do mundo virtual, e as marcas podem explorar todo esse potencial. 

Em parceria com o The Sims 4 e o Minecraft, o McDonalds, popular rede de fast food, estreou o Méqui 1000 como o primeiro restaurante funcional no universo dos games.

No jogo Avakin Life, o Boticário construiu uma loja virtual, na qual os usuários conseguem aprender o que é metaverso e trocar seus pontos por “Botcoins” para conquistarem recompensas dentro do jogo. Ao que tudo indica, esse será o futuro das ações de marketing e vendas!

Desafios da expansão do metaverso

Mesmo que seja animador, o metaverso ainda não é uma realidade. Além de alguns jogos, ainda não existem projetos sólidos para a construção desse universo virtual.

Sendo assim, a expectativa da criação do metaverso é apenas para daqui 10 ou 15 anos, sendo um projeto pensado em longo prazo. 

A existência do metaverso depende muito das seguintes tecnologias: hologramas, realidade virtual, realidade aumentada e blockchain, que precisam ser mais desenvolvidas e disseminadas para que o mundo 3D se torne uma realidade.

O 5G é outra tecnologia que faz diferença na acessibilidade do metaverso, já que garante a conectividade necessária entre os equipamentos que dependem muito da transmissão de dados.

Além disso, entrar no metaverso também está relacionado ao uso de muitos equipamentos físicos, que acabam sendo pouco acessíveis para boa parte da população por causa dos preços elevados. 

Nesse cenário, a expansão do metaverso também enfrenta as seguintes críticas e polêmicas:

  • Centralização;
  • Problemas de privacidade;
  • Crimes virtuais;
  • Limites legais e éticos.

Futuro da internet

Em resumo: o que é metaverso? É o futuro da Internet. Ele pretende revolucionar a forma como nos comunicamos e vivemos. 

A intenção é elevar a Internet para a Web 3.0, na qual ela será mais interativa e descentralizada. Assim, a ideia é que os mundos virtuais e físicos estejam mais entrelaçados. 

O universo virtual planeja levar mudanças para as áreas de trabalho, economia, entretenimento e educação. Vamos ver como isso se desenvolve nos próximos anos! 

O que já sabemos com certeza é que metaverso criará novas oportunidades de carreira na área da tecnologia e, por isso, todos/as nós precisamos ficar ligados/as nas novidades! Continue no nosso blog para mais conteúdos!

Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.