Diferença entre recrutamento e seleção

Nas áreas de recursos humanos e gestão de pessoas, os termos recrutamento e seleção são muito utilizados. Contudo, ainda existem dúvidas sobre a diferença entre recrutamento e seleção – processos tão importantes e estratégicos para as empresas. 

Em uma organização, a contratação de novos/as profissionais é um dos processos mais relevantes, pois é uma forma de agregar valor e qualificação às equipes. 

O processo seletivo é composto por fases e tem a finalidade de encontrar o/a profissional que se encaixa de forma mais adequada em uma determinada vaga ou função. Logo, dentro do contexto do setor de recursos humanos, o recrutamento e a seleção são procedimentos distintos, mas complementares, que fazem parte do processo seletivo. 

Portanto, antes de contratar um/a novo/a colaborador/a, é importante conhecer todas as etapas que compõem o processo seletivo. Além disso, as empresas precisam se preocupar em adotar fatores como tecnologia, integração e aspectos mais dinâmicos nas atividades de atração, seleção e contratação de talentos. 

Mas você sabe qual a diferença entre recrutamento e seleção? Continue acompanhando o texto que vamos te explicar tudo sobre cada uma dessas etapas.

Qual a diferença entre recrutamento e seleção?

Saber a diferença entre recrutamento e seleção permite que a empresa estabeleça técnicas particulares para cada etapa, sendo capaz de construir um processo seletivo mais coerente e robusto.

Durante o recrutamento, os/as profissionais do RH buscam atrair e conquistar os/as candidatos para fazer o preenchimento de uma vaga. Posteriormente, ocorre a seleção desses indivíduos para as próximas fases do processo. 

Sendo assim, o recrutamento é um conjunto de técnicas para o processo de captação de potenciais talentos. Essa fase ocorre logo que a vaga é divulgada no mercado de trabalho com o intuito de receber os currículos de bons/boas profissionais. 

Hoje, a Internet é uma das principais ferramentas de auxílio no processo de recrutamento. Seguem algumas opções de técnicas que são utilizadas: redes sociais (LinkedIn, Instagram e Facebook), portais de universidades, sites de emprego, bancos de currículos e e-mail.

Com 77% de adesão dos/as recrutadores/as, o LinkedIn é hoje o principal canal operado para encontrar profissionais para processos seletivos, de acordo com o estudo Jobvite Recruiter Nation Study 2018.

Em seguida, a seleção é feita e, diferentemente do recrutamento, nessa etapa são revisados todos os currículos recebidos e realizada a triagem dos/as candidatos/as que se enquadram nos requisitos da vaga. 

Essa etapa corresponde a uma análise detalhada e cuidadosa dos/as candidatos/as, pois uma seleção boa e eficiente escolhe o/a profissional que se adequa melhor à vaga, à empresa e à equipe. De uma forma geral, a seleção engloba as seguintes técnicas: 

  • Triagem de currículos;
  • Contato via telefone;
  • Entrevistas que podem ser dinâmicas de grupo ou conversas individuais;
  • Provas de conhecimentos específicos e gerais;
  • Testes psicológicos.

Quando usar o recrutamento e a seleção 

No geral, o recrutamento consiste na segunda parte de um processo seletivo e se baseia nas técnicas para atrair os/as candidatos/as. Por sua vez, a seleção é a etapa que sucede o recrutamento.

Para esclarecer, o recrutamento é responsável por chamar a atenção de pessoas sobre a vaga, enquanto a seleção cuida da filtragem desses/as candidatos/as para determinar qual é o/a melhor profissional. 

Ambos os processos são igualmente importantes para a contratação. Além de trazerem mais valor para o negócio, eles garantem mais assertividade na escolha do/a profissional que vai compor a equipe.

Seguindo a cultura organizacional da empresa, é crucial que as duas etapas sejam elaboradas com organização e nos mínimos detalhes e tenham toda atenção do setor de recursos humanos e da liderança da organização. Assim, mesmo situados em momentos diferentes do processo seletivo, o recrutamento e a seleção precisam caminhar juntos.

Tipos de Recrutamento 

Interno

O recrutamento interno é realizado pela área de recursos humanos e os/as participantes já são funcionários/as da empresa. Sendo assim, o intuito é o aproveitamento dos/as profissionais dentro da equipe.

Esse modelo oferece benefícios como a redução de custos operacionais e análises simplificadas, pois os/as recrutadores/as possuem um conhecimento prévio sobre os/as candidatos/as. Além disso, a adaptação dos/as participantes não é complexa, uma vez que eles/as já conhecem os processos, valores e a missão da empresa. 

Outra característica do recrutamento interno é a motivação e incentivo dos/as candidatos/as, que encontram um ambiente onde eles/as conseguem crescer profissionalmente.

Externo

O recrutamento externo é caracterizado pela busca por profissionais fora da empresa. A vantagem desse modelo é a variedade de perfis para a escolha de candidatos/as que acrescentem novas experiências e conhecimentos ao time.  

Além da obtenção de novos talentos, esse recrutamento também cria um banco de currículos e incentiva a diversidade de funcionários/as.

Misto

O recrutamento misto corresponde a ambos os modelos: interno e externo. Dessa forma, o setor de recursos humanos seleciona tanto os/as profissionais que já trabalham na empresa quanto aqueles/as que estão à procura de uma vaga no mercado. 

Normalmente, esse modelo se inicia fazendo a seleção de profissionais dentro da empresa. Mas, caso os/as gestores/as não encontrem um/a colaborador/a qualificado/a, eles/as aplicam o recrutamento externo. 

Boas práticas de recrutamento e seleção

Um processo seletivo é feito para trazer profissionais que atendam aos requisitos da vaga e se identifiquem com a cultura da empresa. 

Uma equipe de colaboradores/as qualificados/as é essencial para o sucesso e crescimento do negócio. Assim, para evitar que a contratação precise ser refeita, é necessário que o processo seletivo seja eficiente e assertivo. 

Nas etapas de recrutamento e seleção, existem técnicas e condições que garantem ótimos resultados. 

Capacitação

Em primeiro lugar, além de acreditar no produto e serviço oferecido, é importante que o/a candidato/a se identifique com o cotidiano e a cultura da empresa. 

Outra boa prática do recrutamento e seleção é a capacitação constante do/a colaborador/a na parte pessoal e profissional. O setor de recursos humanos precisa se preocupar com a preparação do/a candidato/a para sua função.

Nesse sentido, os processos seletivos que utilizam a técnica de Education Recruiting pode ser ideal, pois oferecem seleção e treinamento ao mesmo tempo. 

Automatização

Entre os fatores que trazem resultados positivos, a automatização é um modo de fazer com que o processo seletivo seja objetivo e mais rápido. Inserir tecnologias ao recrutamento e seleção consegue otimizar o tempo do RH e diminuir os erros cometidos.

Garantindo mais organização aos processos, a automatização do recrutamento e seleção auxilia na avaliação dos/as participantes e proporciona mais controle para a gerência.

Por exemplo, de acordo com o relatório Global Recruiting Trends 2018, 35% dos/as gestores/as globais indicam que a inteligência artificial é uma das tendências que mais afetam os processos seletivos. 

Em especial, em alguns casos, a empresa faz a contratação de uma leva de funcionários/as ao mesmo tempo. Quando o processo é automatizado, fica mais fácil enviar feedbacks automáticos, criar dashboards de interação e aplicar testes no modelo digital. Isso garante mais eficiência e assertividade para as contratações. 

Agora que você sabe a diferença entre recrutamento e seleção de candidatos/as, confira outros conteúdos do nosso blog. Temos novos novidade toda semana!

Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.