Como é o mercado de trabalho para designer de produto?

A busca por designer de produto vem crescendo cada vez mais. Neste post, descubra quais são as tendências do mercado para 2022 e como se destacar no mercado

O senso comum frequentemente aponta que a criatividade é um dom, um talento natural que apenas pessoas brilhantes têm. Porém, a experiência e, é claro, a ciência dizem que não é bem assim: de forma bem simples, criatividade é a habilidade de criar soluções para problemas ou necessidades de todos os tipos, em um processo totalmente baseado na tentativa e no erro. Não há inspiração divina na criatividade, mas sim muito, muito trabalho duro.

Dedicar-se a criar soluções criativas para problemas que vão de simples a complexos é uma das maiores necessidades dos mercados de inovação, e a ferramenta básica de trabalho das pessoas designers de produto.

Essas são as profissionais que se dedicam a desenhar soluções considerando todas as necessidades dos clientes e usuários, em muitos campos de atuação: desde a criação de uma cadeira até o planejamento de um serviço por aplicativo. 

Neste artigo, você vai saber mais sobre a área e como está o mercado de trabalho para quem decide iniciar nessa que é uma das carreiras mais procuradas no mercado de inovação. Vamos lá?

O que é Design de Produto?

Em mais detalhes, o Design de Produto é a área que utiliza metodologias e práticas de design para desenvolver produtos e serviços – com as necessidades do usuário servindo como orientação

Um escopo de trabalho comum do designer de produto segue os seguintes passos:

  1. Que problema do usuário pretendo resolver?
  2. Que soluções podem resolver esse problema? O que devemos criar?
  3. Que modelos de solução podemos criar para testar? Qual a melhor forma de testar esses protótipos?
  4. Quais são as impressões do usuário a respeito do protótipo?
  5. Considerando as impressões do usuário, como modificar o protótipo para torná-lo a versão final?

Nesse contexto, a pessoa designer de produto utiliza conhecimentos de UX design (ou Design de Experiência do Usuário), voltado ao desenho de toda a experiência do usuário enquanto utiliza o produto ou serviço para que seja o mais agradável, intuitiva e fácil possível.

Além disso, a área também exige conhecimentos de UI design (ou Design de Interface do Usuário), que investe nas interfaces que serão utilizadas pelo usuário enquanto acessa o serviço ou produto, de modo a guiá-lo pela experiência da maneira mais natural possível, de modo a mostrar todo seu valor.

A busca por designers de produto vem crescendo cada vez mais. Neste post, descubra quais são as tendências do mercado para 2022 e como se destacar no mercado

Quais são as tendências do mercado para designers de produto?

Por ser tão essencial à inovação, a área de Design de Produto está cada vez mais em alta. De acordo com a pesquisa 2019 Product Design Hiring Report, da InVision, 81% dos designers de produto entrevistados são abordados por recrutadores todo mês, indício que mostra o quão competitivo está o mercado. 

Outro aspecto que mostra essa competitividade do mercado diz respeito aos salários: 84% dos entrevistados apontam aumento de salário constante nos últimos anos, e 92% das empresas consultadas associa diretamente o seu bom desempenho com o esforço dos times de Design de Produto.

No Brasil, não é diferente: de acordo com o portal Glassdoor, a média nacional de salários para designers de produto gira em torno de R$6.185. Para vagas com senioridade alta, a média pode subir até R$9.500.

Como se tornar designer de produto?

Para atuar como designer de produto, o mais importante é buscar conhecimentos sólidos em Design e Tecnologia. Apropriar-se dos princípios de um bom design é um dos primeiros caminhos para quem quer seguir na área.

Algumas metodologias são bastante importantes, como design thinking, design sprint, metodologias de desenvolvimento ágil como o scrum, entre outros. São práticas que aplicam princípios de design e inovação de forma otimizada para criar e aprimorar produtos e serviços.

Esses aprendizados não são conquistados apenas por meio da educação formal, portanto, designers de produto podem ter formações de todos os tipos. 

Graduação ou pós-graduação: Nos cursos formais do país para formar um designer de produto, o enfoque acaba sendo no mais tradicional Design Industrial, que é voltado para design de produtos físicos. Também é possível fazer uma graduação ou pós em áreas de Design, como Design Gráfico, Design Digital, Design Thinking etc.

Cursos livres: Aqueles que optam por uma formação livre também contam com muitas opções excelentes e direcionadas para as funções diárias de designers de produto, que atendem bem às necessidades do mercado. O enfoque está nas habilidades necessárias em compreensão de usuários e suas necessidades, UX, UI, prototipagem, testes, entre outros.

Conheça a formação para ser um Designer de Produto no Gama Experience

Você já ouviu falar em nanodegree? O termo serve para designar cursos de curta duração, totalmente baseado em projetos e que oferecem uma formação voltada ao desenvolvimento das habilidades mais requisitadas pelo mercado e pelos recrutadores.

O Gama Experience, programa de formação e recrutamento da Gama Academy, oferece um dos melhores nanodegrees do mercado para se tornar um designer de produto. São 6 meses de duração, 810 horas de conteúdo, tudo isso totalmente online. 

O curso para formar um designer de produto é inteiramente bolado para que o conhecimento seja desenvolvido por meio da aplicação prática, o que garante que seus estudantes sairão com um portfólio robusto pronto para ser encaminhado em processos seletivos. Além disso, ao longo do processo, cada estudante tem a oportunidade de receber um acompanhamento de carreira com apresentação para empresas contratantes.

Para se inscrever e ser um designer de produto de destaque no mercado, clique aqui.

Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.