Employer Branding: como se beneficiar?

Você já parou para pensar o que as grandes startups fizeram para conquistar o título de empresas dos sonhos de todo colaborador? E o que elas fazem para reter os melhores talentos? 

Hoje em dia é comum ouvir-se falar no termo Employer Branding. Mas o que será que isto significa e qual o impacto gera na cultura organizacional das empresas? Vem comigo que vou te contar.

O que é Employer Branding, afinal?

Employer Branding nada mais é do que o conjunto de estratégias adotadas pelas empresas para adquirir boa reputação como marca empregadora.

Essas ações faz com que as pessoas não só desejem trabalhar lá, mas também com que os/as colaboradores/as tornem-se “evangelizadores/as” e disseminem o nome da empresa aos quatro cantos.

Nota: Employer Brand é, por outro lado, como a marca é percebida.

Reflita por um minuto: qual o diferencial da sua empresa? Ótima remuneração? Um excelente ambiente de trabalho? Ou será que é o pacote de benefícios oferecidos? 

Você acredita que a junção destes fatores é suficiente para construir um Employer Branding — um ambiente de trabalho — memorável?

Por que minha empresa deve focar em Employer Branding?

Quando falamos em Employer Branding estamos falando em contar histórias verdadeiras sobre a empresa e os/as colaboradores/as.

Altos salários, benefícios e planos de carreira já ficaram para trás no ranking dos desejos dos/as melhores profissionais. 

De acordo com uma reportagem publicada recentemente no The New York Times, talentos da geração Z com ensino superior não tem interesse em trabalhar em grandes empresas de tecnologia como Google e Facebook e preferem levar suas habilidades técnicas para empresas menores, mas com impacto social.

Segundo a reportagem, esses/as profissionais dizem que consideram a responsabilidade social de uma companhia ao buscar uma nova vaga de emprego e pode deixar rapidamente o cargo se a empresa não atender aos seus padrões.

Diante disso podemos concluir que o mindset dos/as profissionais da atualidade é outro.

Em uma pesquisa feita com mais de 20 mil candidatos/as que passaram pelos processos seletivos da Gama Academy, ao responder o motivo pelo qual gostariam de trabalhar em uma startup, o propósito vem em primeiro lugar.

DICA EXTRA: Employer Branding é mais que melhorar a imagem da empresa, é melhorar seu ambiente focando em oferecer propostas de valor.

Quais as vantagens do Employer Branding?

Uma estratégia de Employer Branding bem trabalhada pode possibilitar à sua empresa a redução de custos com processos seletivos e turnover, pois irão chover candidatos/as capacitados/as querendo trabalhar na empresa.

Além disso, a experiência do cliente terá impacto positivo gerado pelo engajamento dos/as colaboradores/as.

Colaboradores felizes performam mais e melhor

Existe algo melhor do que colaborador/a que trabalha feliz e motivado/a? Em outras palavras, o/a profissional entende que a empresa se preocupada com seu bem estar e está investindo nele/a e, em troca, passa a produzir com maior atenção e empenho. 

Como construir uma estratégia de Employer Branding?

Agora que você conhece as maravilhas que estratégias de Employer Branding podem oferecer, que tal reunir a área de recursos humanos para colocar o plano em ação?

Veja o que é necessário:

  1. Objetivos e estratégias: como em qualquer nova ação dentro do meio corporativo, o primeiro passo é traçar os objetivos e as estratégias que serão usadas. A dica aqui é buscar um diferencial e, claro, compreender possíveis limitações financeiras, de espaço ou qualquer outro fator peculiar à empresa;
  2. Engajamento: para que o Employer Branding funcione é preciso que a iniciativa comece de cima, por isso, faça com que a liderança participe das tarefas — essa é uma mudança cultural. É fundamental que os/as líderes entendam os porquês desta nova estratégia;
  3. Integração: procure incentivar a integração de todas as áreas da empresa. De nada adianta valorizar bons/boas colaboradores/as de uma área e ignorar as demais. Employer Branding é sobre a empresa como um todo e não um setor isolado;
  4. Acompanhamento: por fim, acompanhe a estratégia. Muitas vezes, tarefas tidas pela diretoria como agradáveis podem não ter o mesmo efeito com o resto do time. Aqui, a dica é dar voz as pessoas para entender suas necessidades e expectativas.

Viu?

O Employer Branding não chega a ser um bicho de sete cabeças, mas também não é a tarefa mais simples do mundo, por isso, o importante é procurar uma comunicação bilateral entre empresa como um todo, afinal de contas, um time engajado beneficia, sempre, as duas frentes.

Postagem anterior
Próxima postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.