Vida Pós Gama
Henrique Diniz

Vida Pós Gama

O principal ponto da minha vida após Gama é que hoje eu sou mais o Henrique Diniz do que a sete meses atrás, mas como assim? Você era menos Henrique Diniz antes? Sim, eu era, já trazendo um spoiler deste texto, hoje eu sou muito mais capaz de ser maker, a realizar, como diz o Junqueira a se virar negão!

O Gama apareceu pra mim naquela época em que nos formamos e estamos na encruzilhada, indo no automático e se inscrevendo para a maioria dos trainees, pensando em amigos para pedir indicação, nessa época por ser “da zueira” bem humorado e comunicativo até BBB me encorajaram (minha mãe pira só de brincar tadinha).

Fiz processo trainee, mas aquilo não mexia comigo, acho que não era a minha ainda. E o Henrique Diniz antes do Gama já era um cara legal, formado em Engenharia de Produção por Universidade bacana, sempre solícito e capaz, mas faltava um raio Gama ali, e esse raio quase não aconteceu.

Quando vi o Gama já me animei, me inscrevi, me preparei para as provas e a cada etapa passada vibrei, e esperei. E num sábado a tarde recebi que não havia passado, e que estava em uma lista de espera. Foi um banho de água fria, quis estar mais ainda dentro desse programa, não porque é quando a gente perde que dá valor, mas por causa de algo que meu pai me falou quando vim pra BH aos 17 anos: “Henrique, é melhor você ir para um lugar que só está com melhores, é ai que você cresce e aprende mais”. Quem me conhece sabe que não cresci em tamanho, mas por mais que o meu jeito zueiro camufle, cresci e aprendi muito, tanto vindo pra BH, quanto nos intercâmbios, faculdade, amigos e várias outras experiências que esses quase 27 anos me deram. O Gama Experience, na época Bootcamp com certeza foi um desses pontos de aprendizado.

Não preciso dizer a minha felicidade quando o nosso amigo Leandro me ligou avisando que eu tinha sido chamado, eu ainda estava meio grog de uma endoscopia no dia, mas até a onda passou e já sai comemorando pela casa como se tivesse feito o gol da copa, ou como atleticano tivesse defendido aquela bola contra o Tihuana do México, que o São Victor defendeu. Havia até feito um rascunho de e-mail que enviaria caso não fosse chamado, porque eu queria estar ali, eu sentia que ali ia estar um momento diferente pra minha carreira, pra compreensão de startups e até pra vida.

Esse momento já começou com os Raios Gama vindos de nossos transformadores, @Rodrigo Cartacho, @Israel Salmen, @Gustavo Caetano, @Eddie da Rock, @Yuri Gitahy e @Tatiana Pezoa da Trustvox e muitos outros nos inspiraram e mostraram que o caminho é árduo, mas somos capazes, e passaram um pouco do caminho das pedras que percorreram. Para nós hustlers ainda recebemos os melhores em sales do país, @Vinícius da Otb, @Diego da Meetime, @Luis da Plug e @Fernando Pacheco da Samba nos passaram o fino das vendas. Além desse povo todo, também vieram raios gama de quem participou do Gama, da minha equipe com hustlers, hypers, hipsters e hackers, de todos que interagiram e conversaram, ali tínhamos a busca por fazer junto, por algo melhor, e até pra quem não era startupeiro, como eu, foi com certeza uma transformação.

Foi muita coisa que rolou nessas quase cinco semanas em BH, acho que se a Endeavor além do #day1 tivesse o #month1 com certeza muita gente apontaria o Gama Experience como essa virada de chave. Como já disse o @Robert da Stone, muita gente respondeu a ele que o maior desafio que tiveram foi sem dúvida o Gama, e olha galera que quem passa já vem de uma faculdade boa, muitos de intercâmbios e de uma vida inteira de desafios que os levaram até ali. Doido né?

A Gama Academy veio pra ficar, @Malcom Gladwell escreveu um livro do Ponto da Virada, aquele ponto que gera epidemias, que contagia e a Gama tem tudo pra ser um desses pontos. Uma epidemia para virar a chave, para a cultura maker, para se virar negão e impactar muita gente. Vejo por mim, pelos meus colegas e quem mais participou.

Pra mim foi isso e muito mais, é por causa da Gama que estou na Sympla, vejo e trabalho com gente que me inspira e me provoca a cada dia fazer mais, melhorar mais. É por causa dele que conheci pessoas que tomando um açaí me mostram pontos que vou carregar por toda uma carreira e vida, que me ajudam a parar, pensar e dar o próximo passo, e até ajudar outros a darem seus próximos passos.

Do Gama Experience eu podia falar muito mais, de como foi apresentar pra um auditório cheio, pegar 300 casacos em um dia, arrancar mais de 500 cadastros em um site, e mais trocentas coisas. Mas sinceramente, faz que é melhor viver do que só ler. Se inscreve, e SE VIRA NEGÃO. Não vai se arrepender.


Anterior: ASO: 7 dicas para destacar o seu app nos principais mecanismos de busca Próximo: Trabalhar em uma Startup e o crescimento acelerado da carreira.

Sem Comentário

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Pular para a barra de ferramentas