Como é o dia a dia de desenvolvedores que decidem trabalhar em uma startup?
Rick Drumond

Como é o dia a dia de desenvolvedores que decidem trabalhar em uma startup?

Trabalhar em uma startup se tornou o desejo de uma série de profissionais, entre eles, os desenvolvedores. E muito disso se deve ao “clima” encontrado nesse modelo de empresas. São inúmeras as vezes em que ouvimos que em determinada startup a equipe trabalha com roupas informais, fazem seus próprios horários e até levam seus cachorros em alguns dias específicos…

Pois é, esse crescente modelo de empresa parece ser um mar de rosas…e é! Mas tem também muita responsabilidade e incertezas, por isso, o desenvolvedor que quiser trabalhar em uma startup deve estar ciente de que trabalhará incessantemente…mas, pelo menos, estará de chinelos.

Perfil do desenvolvedor que vai trabalhar em uma Startup

Para um desenvolvedor se dar bem no trabalho de uma startup ele precisa entender que esta não é uma empresa como tantas outras por aí. Logo de cara vimos que a maioria dessas empresas não sabe muito bem qual o seu produto, quais são seus clientes ideais, dentre outros fatores, logo, os profissionais precisam estar cientes de que algo pode mudar a qualquer instante…e isso não pode ser um problema para eles.

Além disso, é praticamente uma regra: os profissionais precisam ser proativos. Eles precisam apresentar soluções antes mesmo de lhe ser solicitado. Outro ponto crucial é aceitar que a carga de trabalho será grande, especialmente no início do projeto.

Agora, o perfil do desenvolvedor que vai trabalhar em uma startup precisa de uma veia empreendedora. Além de ter o dinheiro como um entrave durante todo o projeto (e é função de todos colocar o dinheiro nas tarefas mais rentáveis), os profissionais que iniciam uma startup estão muito sujeitos à se tornarem sócios conforme o crescimento do negócio. Portanto, se esse não for, nem de longe, o seu objetivo, fique longe de startups.

Os benefícios de uma startup

Agora, é bom entender que o clima é só uma consequência da cultura de inovação imposta nestas empresas. Existem ainda muitos outros benefícios que podem cativar um profissional, tais como muito aprendizado, já que, em geral, uma pessoa transita entre as funções até que o quadro de funcionários possa ser preenchido.

Além disso, gera um senso de responsabilidade bem aprofundado. Se considerarmos que a maioria dos funcionários é de jovens, essa é uma lição que transcende apenas um “emprego”…a empresa vira a sua filha…o seu projeto e, se a empresa crescer, invariavelmente, os profissionais que lá estão, crescerão junto.

Em geral, existe ainda uma grande flexibilidade dentro dessas empresas. Os líderes tendem a entender o processo criativo de cada profissional e adaptar sua carga de trabalho a isso, por isso não são poucas as pessoas que trabalham até tarde (chegando um pouco mais tarde também)…é o momento onde o trabalho delas rende mais.

Apenas para exemplificar, a Exact Sales, o GuiaBolso, o In Loco Media, o Love Mondays, o Nubank, a Resultado Digitais e a Sympla, são algumas das startups que saíram na revista Exame como alguns dos negócios mais inovadores no Brasil no ano de 2016.

De maneira geral, as startups chegaram para ficar e, com isso, o perfil dos profissionais tende a se adaptar também. E não existe, uma única startup sem um ótimo desenvolvedor, por isso, aproveitem o momento e se joguem nessa nova demanda.


Anterior: 10 Ferramentas indispensáveis para quem trabalha com Marketing Digital Próximo: 6 hacks para conseguir um emprego no mercado de startups

Sem Comentário

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Pular para a barra de ferramentas