6 hacks para conseguir um emprego no mercado de startups
Lucas Bhering

6 hacks para conseguir um emprego no mercado de startups

Lições aprendidas em um ano de trabalho com capacitação e recrutamento de talentos para empresas digitais

Trabalhei durante muito tempo no mercado tradicional como bancário. Creio que nada é mais tradicional que isso né? Gravata, salário bom, benefícios, “trabalha 6 horas por dia”… Mas eu odiava aquele emprego. Eu me sentia mais uma ferramenta do sistema. Eu não trabalhava com propósito, não me sentia motivado e nem realizado profissionalmente.

Até que um dia chutei o balde e resolvi empreender. Fali pouco tempo depois. Acontece, não tinha conhecimento, experiência e nem habilidades técnicas. Era hora de procurar um novo emprego, mas como conseguir um emprego num mercado em crise?

Comecei a procurar empregos que tinham algo a ver com minha formação – Publicidade e Propaganda – e numa dessas buscas, descobri uma tal de Samba Tech. Achei a empresa sensacional e comecei a pesquisar sobre seu fundador, Gustavo Caetano. Numa de suas palestras, ele disse como conseguiu a Band como sua primeira cliente e isso já começou a me mostrar como é o mindset de empreendedores de sucesso. Em seguida, fui buscar me capacitar em marketing digital – que era o mais próximo de publicidade – e conheci a Rock Content e consequentemente, o Peçanha, que foram fundamentais para que eu aprendesse sobre Inbound Marketing, através dos seus conteúdos e certificados.

Um belo dia, vi que uma tal de Gama Academy estava com as inscrições abertas para o Gama Experience, me inscrevi, passei no processo seletivo e em meio a diversos profissionais FODAS que dariam as aulas, lá estavam o Peçanha e Gustavo Caetano.

A partir do Gama Experience comecei a analisar o que as empresas que contratam no final do programa estavam buscando e mantive essa visão até hoje, que estou do lado de cá, integrando o time da Gama Academy.

Chega de conversa, aqui estão os 6 Hacks:

#01 – Adquira conhecimento

Meio óbvio né?

Hoje em dia você deve realmente dominar o que se propõe a fazer na empresa. É isso que eles procuram, alguém para trazer resultado.

Mas nem sempre é fácil aprender. Antigamente eu invejava pessoas consideradas “autodidatas” e me achava muito burro porque não conseguia aprender na velocidade que essas pessoas aprendem. Aí descobri que aprender é uma mistura de força de vontade + pesquisa + prática.

Uma coisa bem simples que fiz e faço até hoje é seguir inúmeras páginas sobre Marketing Digital no Facebook e selecionar a opção “Ver Primeiro”. Meu feed de notícias é quase exclusivamente sobre Marketing Digital, com isso, sempre que vejo um post sobre algo que eu quero aprender ou me aprofundar é só clicar e ler. O segredo é que dessa forma, você se cerca de informações relevantes. Isso também pode ser feito por Youtube, Email ou a rede social que mais te interessar e que você acessa com mais frequência.

Além disso existem diversos certificados e cursos gratuitos ou muito baratos por aí. O Gama Experience é gratuito para se inscrever e em caso de seleção, o único custo é uma taxa de matrícula de R$200,00. Não se esqueça de ler livros como “Lean Startup” de Eric Ries e “Organizações Exponenciais” de Salim Ismail, Michael S. Malone e Yuri Van Geest.

#02 – Pratique o que aprendeu

Não adianta estudar muito e torcer para que uma empresa te contrate para enfim colocar tudo em prática. Saber a teoria é sensacional, mas a prática é o que difere tudo.

Crie um blog sobre algo que você domina, pegue um infoproduto e o promova, ajude uma ONG, trabalhe com freelas. Isso tudo além de te ajudar a aprender, conta como experiência no seu currículo.

#03 – Use suas redes sociais de forma estratégica

Antes de marcar uma entrevista, a maioria das empresas confere as redes sociais dos candidatos.

É muito divertido compartilhar memes e fotos das suas férias na praia. Inclusive é interessante você mostrar seu lado humano, como interage com outras pessoas, seu relacionamento com a família, etc. Mas você também pode compartilhar tudo que está aprendendo e estudando. Compartilhe os livros que está lendo, cursos que está fazendo, eventos em que foi. Lembre-se: “Quem não é visto, não é lembrado”.

Um exemplo disso é o Marcus Paulo Fernandes, que foi aluno do #04 Gama Experience em Belo Horizonte. Ele já estava participando de diversos processos seletivos após o programa e estávamos conversando sobre maneiras de se destacar para as empresas. Sugeri que ele participasse de eventos, palestras e escrevesse sobre isso em seu LinkedIn. Ele fez isso, começou a demonstrar que estava indo atrás de conhecimento e em uma entrevista de emprego, o CEO disse: “Vi que você participou de vários eventos, está bem por dentro das coisas que estão acontecendo e está se atualizando, por isso que gostei de você.”

Em resumo, o Marcus foi contratado.

Claro que muitos fatores influenciaram sua contratação, mas imagine quantos currículos as empresas recebem por dia. Você tem que chamar a atenção, não ser apenas mais um currículo na base.

Uma forma mais agressiva, mas muito interessante, é utilizar o Faceads para impressionar os entrevistadores. Como? Leia o post sobre micro audiences do Growth Hacker Raphael Lassance.

#04 – Atualize seu perfil no LinkedIn

Além de preencher as informações básicas do LinkedIn, você também pode evidenciar suas habilidades de outras formas. Aqui vou falar sobre as 3 partes essenciais de um bom perfil:

Edite a introdução do seu perfil

Essa é uma das áreas que mais chama atenção no seu perfil. Insira seus dados pessoais e no título inclua suas habilidades. Vou usar como exemplo a Jana Ramos, uma grande amiga e excepcional Growth Hacker:

Esse título sempre aparece junto do seu nome e incluindo suas habilidades aumentam as chances de ser encontrado quando alguém fizer uma busca no LinkedIn.

No Resumo, fale sobre você, mas evite repetir o que suas experiências já falam no perfil. Use essa parte para falar sobre suas Soft Skills, que são as habilidades comportamentais que você possui. Nesse campo você também pode incluir seu portfólio, apresentações que fez, links de matérias de imprensa da qual fez parte.

No número 1 ela fala sobre suas paixões e algumas habilidades (Palavras-chaves que facilitam a busca por seu perfil). No 2 fala de empresas em que já realizou projetos (Prova Social), no ponto 3 outras palavras-chaves de Marketing Digital e por último, no ponto 4, ela incluiu diversas mídias que reforçam ainda mais suas habilidades. O LinkedIn usa uma série de fatores nesse aspecto para tornar a busca mais relevante, incluindo as conexões. Então adicione pessoas estratégicas do mercado, como CEOs, CTOs, HR Managers.

Competências e Recomendações

Inclua nessa parte do perfil as competências que mais estão ligadas a área em que busca um trabalho. Nem pense em colocar “Word” e “Excel” a não ser que isso seja extremamente importante na sua área.

Nas competências em destaque, evidencie o que é mais importante para seu trabalho, deixando as 3 mais importantes no topo.

Já nas Recomendações, peça para amigos e colegas de trabalho te recomendarem, isso ajuda as empresas a terem uma opinião de fora sobre você.

 #05 – Construa seu networking

Você é a média das 5 pessoas com quem passa mais tempo. Já ouviu isso?

As pessoas que trabalham no mercado digital têm um mindset totalmente diferente das que atuam no mercado tradicional. Elas são empreendedoras, resolvem problemas de forma ágil, pensam de forma simples e estratégica.

Não existe nada que ensine isso a não ser a vivência nesse meio. Participe de eventos, converse com as pessoas, adicione-as em suas redes sociais, mantenha contato.

Se você se considera uma pessoa tímida, indico que leia o livro: “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” de Dale Carnegie e assista esse Ted Talks da Amy Cudy, onde ela ensina coisas sensacionais sobre linguagem corporal e o mais importante: “Fake it until you make it“.

#06 – Mostre que você quer trabalhar na empresa

As empresas do mercado digital não querem mais um “zumbi” que só está trabalhando lá pelo salário no fim do mês. Eles querem que você tenha paixão por trabalhar na sua área e que você fará a diferença no time.

Nada de sair distribuindo currículos aleatoriamente. Defina em qual empresa você quer trabalhar e mostre que você realmente tem alinhamento com o propósito deles. Pesquise tudo que puder, faça um período trial do produto (se tiver), acompanhe as redes sociais da empresa, estude bastante.

Com esse conhecimento em mãos, é hora de treinar o famoso “Elevator Pitch”. Para quem não conhece, o Pitch é uma apresentação sucinta e efetiva com o intuito de transmitir sua mensagem e conquistar o ouvinte. Geralmente é utilizado por empreendedores quando buscam apresentar sua empresa para investidores e fecharem negócios.

Vamos adaptar para nossa realidade atual. Imagine que você tem apenas 2 minutos para convencer o CEO da startup em que você sempre quis trabalhar a te contratar. Você não pode perder tempo e tem que gerar nele o interesse de te conhecer melhor e marcar uma entrevista mais aprofundada. Existe muito material na internet sobre isso, aqui você consegue ver alguns exemplos.

Com um Pitch definido, você pode adaptá-lo a um email, por exemplo. Evite o famoso: “Prezado(a) Fulana de Tal

Meu nome é Ciclano da Silva e estou buscando uma oportunidade nova de trabalho. Segue meu currículo para sua apreciação.

Obrigado,”

Muita atenção com o assunto do e-mail, esse é um dos aspectos fundamentais para causar o interesse do recrutador em ler o que foi enviado. No corpo do e-mail fale um pouco sobre quem você é, o porquê se interessou pela empresa e como você pode somar ao time. Cuidado para não puxar saco demais, use sua honestidade e criatividade.

Se você notar que a empresa tem um perfil mais “descolado”, mande um currículo criativo, de preferência um portfólio mostrando tudo que você já fez e os resultados obtidos. Ao anexar o arquivo lembre-se de renomear, convenhamos que um anexo “Documento(3)” demonstra falta de organização e atenção.

Parecem coisas simples, mas que nem todo mundo se preocupa e são fundamentais para que os RHs te notem e vejam que você realmente tem valor. Mas não deixe para seguir essas dicas depois, quanto mais você demorar, mais pessoas passam na sua frente. E se você está procurando se capacitar, corre que o Gama Experience está com as inscrições abertas!

Você já utilizou algum hack semelhante? Compartilhe aí nos comentários!


Anterior: Como é o dia a dia de desenvolvedores que que decidem trabalhar em uma startup? Próximo: Qual stack é a minha no Gama Experience?

Sem Comentário

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Pular para a barra de ferramentas